quinta-feira, 24 de março de 2016

Antropoceno: O Homem como força geológica dominante

Em um novo estudo, publicado na revista Science no dia 7 de Janeiro de 2016, uma equipe internacional de cientistas concluíram que o impacto da atividade humana sobre a Terra é tão generalizada e persistente que merece o reconhecimento formal, com a criação de uma nova unidade de tempo geológico, chamada Antropoceno.

"Estamos dizendo que os seres humanos são um processo geológico", diz o co-autor do estudo Colin Waters, um ‪#‎geólogo‬ do Serviço Geológico Britânico (BGS) "Nós somos a força geológica dominante moldando o planeta. Não são os rios, não são os ventos...São os seres humanos.

"O Antropoceno é um jovem: Waters e sua equipe afirmam que ele só começou por volta da metade do século XX, no início da era nuclear e da aceleração do crescimento da população, da industrialização e da utilização em grande escala dos combustíveis fósseis.

"Os geólogos e estratígrafos" - cientistas que estudam as camadas da Terra, "estudam e observam as rochas que são de milhões de anos atrás, muitos deles têm dificuldade em aceitar que um pequeno intervalo de tempo pode ser uma época geológica ", diz Waters.


Não há dúvida de que, quando mais de 7 bilhões de pessoas colocam suas mentes para fazer alguma coisa, eles podem ter um grande impacto. Nós estamos vendo isso agora ", diz Waters. "Mas isso também significa que podemos reverter alguns desses impactos negativos se quisermos, se estamos conscientes do que estamos fazendo. Nós podemos modificar o nosso progresso ".


Wing concorda. "Acho que o Antropoceno é um mecanismo muito importante para levar as pessoas de todos os cantos do planeta a pensar sobre o seu legado", diz ele. "Nós, seres humanos estamos em um jogo que afeta todo o mundo e o futuro também. Deveríamos estar pensando em nosso legado de longo prazo, e o Antropoceno coloca um nome nesse legado ".

Bomba Atômica

Hiroshima devastada pela Bomba atômica
Liberação de poluentes na atmosfera
Problemas ambientais e  mudanças climáticas provocadas pela ação antrópica.



Fonte: Ker Than e  revista Science .

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

O problema do acúmulo do Lixo

Acúmulo do Lixo

Um dos principais problemas encontrados nas cidades, especialmente nas grandes é o lixo sólido, resultado de uma sociedade que a cada dia consome mais. 

Esse processo decorre da acumulação dos dejetos que nem sempre possui um lugar e um tratamento adequado. Isso tende a aumentar, uma vez que a população aumenta e gera elevação no consumo, e consumo significa lixo. 






A questão do lixo está diretamente ligada ao modelo de desenvolvimento que vivemos, vinculada ao incentivo do consumo, pois muitas vezes adquirimos coisas que não são necessárias, e tudo que consumimos produzem impactos. Há aproximadamente 40 anos a quantidade de lixo gerada era muito inferior à atual, hoje a população aumentou, a globalização se encontra em um estágio avançado, além disso, as inovações tecnológicas no seguimento dos meios de comunicação (rádio, televisão, internet, celular etc.) facilitaram a dispersão de mercadorias em nível mundial. 

Antes do processo da Primeira Revolução Industrial o lixo produzido nas residências era composto basicamente de matéria orgânica, dessa forma era fácil eliminá-los, bastava enterrar, além disso, as cidades eram menores e o número da população restrita. 

Mais tarde com o crescimento em escala mundial da industrialização, acelerado aumento da população e dos centros urbanos, que ocorreu principalmente na segunda metade do século XX, desencadeou um aumento significativo na quantidade de lixo e variedades em suas composições. Atualmente quando compramos algo no supermercado o lixo não é apenas gerado pelo produto em si, pois existe a etapa de produção (cultivo, extração de minérios, transporte, energia) e depois para o consumidor final tem a sacola e o cupom fiscal.

Nas cidades que contam com serviços de coleta do lixo esse é armazenado em dois tipos de “depósitos”: os lixões nos quais os dejetos ficam expostos a céu aberto e os aterros sanitários onde o lixo é enterrado e compactado. 
Os lugares que abrigam os depósitos de lixo geralmente estão localizados em áreas afastadas das partes centrais do município. 


É comum em bairros não assistidos pelo serviço de coleta de lixo que o depósito dos lixos seja em locais impróprios, como encostas, rios e córregos. 
A população desses bairros negligencia os sérios danos que tais ações podem causar à biodiversidade e ao homem, diante disso destaca-se: dispersão de insetos e pequenos animais (moscas, baratas, ratos), hospedeiros de doenças como dengue, leptospirose e a peste bubônica.

O lixo acumulado produz um líquido denominado de chorume, esse possui coloração escura com cheiro desagradável, a substância gerada atinge as águas subterrâneas (aquífero, lençol freático), além disso, existe a contaminação dos solos e das pessoas que mantêm contato com os detritos, deslizamentos de encostas, assoreamento de mananciais, enchentes e estrago na paisagem. 


Os lixões retratam além dos problemas ambientais os sociais, a parcela da sociedade excluída que busca nesses locais materiais para vender (papéis, plásticos, latas entre outros), às vezes as pessoas buscam também alimentos, ou melhor, restos para o seu consumo, muitas vezes estragados e contaminados, demonstrando o ápice da degradação humana. 
A relação entre lixo e cidadania tem início nas atitudes mais básicas e o ponto de partida é uma frase clichê, mas, que pelo fato de ser clichê, não deixa de ser importante: “Não jogue lixo no chão”. De um ponto de vista pessoal, jogar lixo no chão é um dos maiores sinais de falta de educação que pode demonstrar um ser humano. Se a pessoa não cuida do lixo em um ambiente público e não se constrange em ser tachado como mal educado arremessando guimbas de cigarro e latas de cerveja das janelas de veículos, jogando papel de bala e cuspindo goma de mascar no chão, será que ela se preocupa em cuidar do lixo em casa? Será que se preocupa com o impacto de suas atitudes no meio ambiente e na sociedade?
Cidadania
Cidadania é uma questão de educação básica, de cuidado com o que é público, de consciência sobre deveres e direitos e também de educação. Ser cidadão é cuidar do planeta e isso inclui o cuidado com tudo e com todos que nele habitam. Cabe ao governo educar, criar campanhas de conscientização, instaurar a coleta seletiva nos municípios, dar o tratamento adequado aos resíduos e criar programas de redução, reaproveitamento e reciclagem do lixo, mas também cabe ao cidadão fazer a sua parte. Toda mudança só é verdadeira se começa de dentro, com vontade e dedicação. Reduzir, Reutilizar e Reciclar, aliados a uma educação consciente, são os elos de ligação na relação entre Lixo e Cidadania.















Fonte: mundoeducação; revistaveja;

EXERCÍCIOS

1) Analise as alternativas sobre aspectos relacionados ao lixo e marque (V) para as verdadeiras e (F) para as falsas.

a) O lixo é caracterizado como tudo aquilo que não tem mais utilidade e não apresenta nenhum valor para o homem e, consequentemente, é jogado fora.
b) A destinação inadequada do lixo pode desencadear vários problemas socioambientais, como, por exemplo, poluição do solo, entupimento de bueiros e poluição visual.
c) A produção de lixo não é tão prejudicial ao meio ambiente, visto que em todas as cidades brasileiras ocorrem a coleta e o tratamento adequado desse material.

d) O lixo urbano recebe classificação de acordo com sua fonte geradora e composição do material, havendo a necessidade de tratamento específico para cada tipo de lixo.
e) A população não deve se preocupar em reduzir a produção de lixo, pois todo esse material é reciclado, fato que fortalece a economia local.

2) O lixo urbano é responsável por vários impactos ambientais. Mesmo este não sendo um problema exclusivo das grandes cidades, é nelas que ele se torna um grande desafio para as administrações públicas. Sobre as formas de recolhimento e contaminação do lixo urbano é correto afirmar:
Observe as alternativas e assinale a opção de acordo com as respostas.
1. Os lixões e aterros sanitários, normalmente, são localizados na periferia, e recebem lixo das cidades. É frequente, porém, pessoas usarem os terrenos abandonados ou da própria rua para esse fim.
2. Os aterros sanitários são locais onde o lixo fica a céu aberto, em zonas de mata, afastado dos rios e da periferia.
3. Além do mau cheiro, da poluição visual e da presença de ratos e insetos, os aterros e os lixões trazem outras consequências para as áreas onde estão situados. O chorume e os resíduos sólidos do lixo afetam a saúde da população do entorno, geralmente formada por pessoas de baixa renda.
4. A decomposição da matéria orgânica do lixo produz um resíduo fétido e ácido que evapora e não polui os solos e as águas.

a) Quando as alternativas 1, 2 e 3 estiverem corretas  
b) Quando as alternativas 1 e 3 estiverem corretas
c) Quando as alternativas 2 e 4 estiverem corretas
d) Quando somente a alternativa 4 estiver correta  

e) Quando todas as alternativas estiverem corretas

3) (ADVISE 2009) O lixo é um dos problemas ambientais mais preocupantes no âmbito das cidades, não só brasileiras, mas de todo o mundo. Por outro lado, gera emprego e renda. Sobre essa questão, assinale a opção correta.
a) A produção de lixo cresce na razão inversa do poder aquisitivo das populações. Isso ocorre porque os segmentos de alto poder aquisitivo adotam posturas mais conscientes em relação ao destino de lixo.
b) A participação do lixo orgânico em relação ao total de lixo produzido é menor nos bairros de baixo poder aquisitivo e maior nos bairros de classe média alta. Isso decorre das diferenças na qualidade de nutrição entre os estratos populacionais.
c) O Brasil figura entre os países do mundo que mais reciclam latas de alumínio e papelão. Esse resultado decorre da conscientização da população e da implantação de programas de coleta de lixo seletiva nas principais cidades brasileiras.
d) O lixo representa uma fonte de trabalho e renda para uma população cada vez mais numerosa, sobretudo nos grandes centros urbanos do Brasil. Assim, muitas pessoas retiram do lixo coletado nas ruas e nos lixões a principal fonte de sua sobrevivência.
e) O lixo produzido nas cidades brasileiras tem um destino apropriado. Verifica-se que, na grande maioria dos casos, ele é depositado em aterros sanitários tecnicamente adequados ou é incinerado.























GABARITO
1) vvfvf       2) B            3) D

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Refugiados: entenda por que muitas pessoas estão fugindo de seus países


Entenda o motivo de tantos refugiados nas últimas décadas.
Você já deve ter visto na televisão ou ouvido no rádio que milhões de homens, mulheres e crianças estão sendo obrigados a sair de seus países em busca de abrigo principalmente em algumas regiões da Europa. Essas pessoas são chamadas de refugiados. Os refugiados ficam com tanto medo de permanecer em seu país por causa de guerras ou conflitos internos que são obrigados a fugir por um tempo. Mas não confunda refugiados com imigrantes. Os imigrantes são aqueles que entram num país estrangeiro por escolha, com o objetivo de morar ou trabalhar. Por exemplo, no século XIX, muitos italianos, espanhóis, japoneses e alemães se mudaram para o Brasil para trabalhar.


MAS... E AS CRIANÇAS?
Já imaginou você ser obrigado a sair de sua casa, de uma hora pra outra, deixando pra trás suas coisas, seus amigos e sua escola? É isso que acontece com as crianças refugiadas. A Síria, por exemplo, é um dos lugares mais perigosos do planeta para as crianças, hoje em dia. Em vez de irem à escola, as crianças estão sendo forçadas a lutar na guerra e a fabricar bombas. A guerra na Síria já dura três anos e parece que não vai terminar tão cedo.
Assista o vídeo e entenda o motivo de tantos refugiados sírios.

Ao longo dos últimos quatro anos e meio, mais de 200 mil sírios perderam suas vidas no conflito entre tropas leais ao presidente Bashar al-Assad e as forças de oposição. A violenta guerra já destruiu bairros inteiros e deixou 11 milhões de desabrigados.
O combate entre o governo e a oposição não para. A ajuda humanitária chega esporadicamente a alguns lugares. Milhares de sírios permanecem presos em cidades sitiadas.
A oposição se fragmentou até incluir facções islâmicas com vínculos com a Al-Qaeda, cujas táticas brutais têm causado preocupação e levado à violência até mesmo entre os rebeldes.
E o recente envolvimento da Rússia nos bombardeios contra o grupo extremista autodenominado "Estado Islâmico" (EI) na Síria contribuiu para a escalada de tensão no conflito.
POR QUE, HOJE EM DIA, TANTA GENTE ESTÁ FUGINDO DE SEUS PAÍSES?
É que os países onde os refugiados nasceram estão enfrentando problemas. É o caso da Síria, do Afeganistão e da Somália, entre outros. Os cidadãos desses países estão fugindo de guerras, da pobreza e da violência. Desesperados, eles tentam atravessar o Mar Mediterrâneo para chegar à Europa em barcos improvisados e, infelizmente, muitos deles acabam morrendo.
ENTÃO, O BRASIL TAMBÉM RECEBE REFUGIADOS?
Sim. Atualmente, existem no Brasil 8400 refugiados. Apesar de parecer muita gente, esse ainda é um número pequeno se comparado a outros países. A maioria dos refugiados que, hoje, vivem no Brasil vêm da Síria, da Colômbia, de Angola e da República Democrática do Congo.
O QUE FAZER PARA AJUDAR?
Existem algumas instituições que trabalham para aliviar o sofrimento dos refugiados. Veja abaixo uma lista de instituições que trabalham nessa área. Através delas, você também pode ajudar.

Acnur
A Agência da ONU para refugiados fornece abrigo, água potável, saneamento e assistência médica vital a milhares de pessoas pelo mundo.
Médicos Sem Fronteiras
Esta organização humanitária trabalha no mundo todo para oferecer assistência psicológica e tratamento nutricional. A entidade monta hospitais em campos de refugiados, ajuda mulheres a darem à luz com segurança, vacinam as crianças contra epidemias e fornecem água potável.
Cruz Vermelha
Esta tradicional entidade humanitária ajuda pessoas que sofrem com a violência em zonas de conflito como a Síria.
Cáritas
A Cáritas Brasileira é um organismo da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), ligado a uma rede internacional de assistência. É uma das poucas entidades que prestam serviço de acolhida e integração aos refugiados no país. Há unidades da Cáritas no Rio de Janeiro e em São Paulo. 


fonte:.bbc.com, ebc.com

Exercícios
1) (UNIOESTE) Sobre o fenômeno migratório, leia as afirmativas abaixo:
I. Os movimentos migratórios podem ser espontâneos ou forçados; um exemplo deste último tipo de migração é a dos refugiados de guerra.
II. Pode-se chamar de refugiados ambientais aos migrantes que deixam lugares por problemas ambientais que dificultam as condições de vida, como a seca, a desertificação, enchentes, etc
III. O fator trabalho é uma das razões centrais para os movimentos migratórios. É motivo, por exemplo, para a emigração de brasileiros para os EUA.
IV. A Europa foi um importante foco de imigração a partir do século XV até aproximadamente a metade do século XX, recebendo imigrantes das colônias e ex-colônias, que buscavam as boas condições de vida nas cidades européias. Atualmente, este continente transformou-se em área de emigração, com pessoas que se dirigem em busca de novas oportunidades em outros continentes, como o americano, o africano e o asiático.
V. O Brasil, no século XIX, foi área de atração de imigrantes que buscavam novas oportunidades, sendo o maior grupo o de origem latino-americana (paraguaios, argentinos, bolivianos, etc.).
Assinale a opção que contem as afirmações corretas.
a) I, II e III.
b) II, III e IV.
c) III, IV e V.
d) IV e V.

e) V e I.

2) (UFPE) As migrações internacionais vêm ganhando um certo destaque no cenário mundial, já há alguns anos, ou seja, desde a década de 80 do século passado. Contribuíram para esse importante fato, estudado pela Geografia Humana:
1) as desigualdades econômicas regionais.
2) os conflitos bélicos.
3) a destruição do bloco soviético.
4) a formação de blocos econômicos.
5) a nova onda de epidemias.
6) o fim das divergências étnicas.
Estão corretas apenas:
a) 1, 2 e 5
b) 3, 4 e 6
c) 1, 5 e 6
d) 1, 2, 3 e 4
e) 2, 3, 4 e 5

3) (UEL) Assinale a alternativa que indica corretamente o processo que ocorre em áreas de perseguições religiosas, políticas ou ideológicas, guerras, conflitos políticos, falta de oportunidade de trabalho no local de origem, concentração fundiária.
a) Atração populacional.
b) Aumento das taxas de natalidade.
c) Crescimento vegetativo.
d) Migrações populacionais.
e) Diminuição das taxas de mortalidade.

4) (FUVEST) Tendo em vista a dinâmica mundial dos movimentos migratórios na atualidade, qual das afirmações a seguir pode ser considerada correta?
a) As graves crises econômicas e políticas que estão ocorrendo na África, têm feito com que as fronteiras de alguns países sejam palco de afluxo de milhares de refugiados, produzindo o que podemos chamar de "fronteiras em caos".
b) A fronteira que separa a Europa do Noroeste da África mantém a mesma abertura da década de 50 e essa situação é de suma importância para o fluxo migratório em direção à Europa.
c) Na África, as migrações entre países pobres não encontram impedimentos por parte dos Estados, fato que provoca uma grande mobilidade da população em todo o território africano.
d) As migrações oriundas da região do Caribe, em direção à América do Norte, não conhecem nenhum tipo de obstáculo, fato que tem contribuído para o aumento dos fluxos migratórios.
e) As "fronteiras abertas" dos países da Europa Ocidental têm permitido o livre fluxo de imigrantes oriundos, principalmente, dos países do Caribe e da África que apresentam graves problemas econômicos.























Gabarito:

1)A    2)D  3)D  4)A

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Energia Eólica: Brasil fica entre os dez países com maior capacidade instalada.



País tem instalações recordes com 2,75 GW em 2015. No mundo, foram adicionados 63 GW de capacidade instalada, segundo GWEC.


Cata-Ventos - GIFMANIA

O Brasil entrou no Top 10 eólico em 2015, com contribuição recorde de 2,75 GW de novas instalações. No mundo, a indústria de energia eólica instalou, ao todo, 63,01 GW, configurando um crescimento anual de mercado de 22%, segundo o Global Wind Energy Council - GWEC. No acumulado, a capacidade mundial total foi elevada em 17%, atingindo 432,42 GW no final de 2015.
O mercado chinês, de acordo com o levantamento, foi mais uma vez o maior do mundo, adicionando 30,50 GW de nova capacidade, cerca de 50% do total, seguido pelos Estados Unidos, que atingiu 8,60 GW; Alemanha, com 6,01 GW; e Brasil, com 2,75 GW. Considerando a capacidade acumulada, o Brasil atingiu 8,72 GW e garantiu a 10ª posição no ranking mundial, justificando o crescimento verificado de 46%. Os três primeiros colocados, China, Estados Unidos e Alemanha, tem, respectivamente, 145,10 GW, 74,47 GW e 44,95 GW.
"A quebra de recordes de novas instalações dos quatro grandes polos eólicos garantiu novamente posicionamentos mundiais significativos, permitindo ao Brasil demonstrar sua consolidação, sustentabilidade e comprometimento com a fonte eólica", comemora Elbia Gannoum, presidente executiva da Associação Brasileira de Energia Eólica.
De acordo com a ABEEólica, os 8,72 GW representaram para o país um investimento total acumulado superior a R$ 52 bilhões. Além disso, em índices sustentáveis, foram, ao todo, 130 mil empregos gerados distribuídos por toda a cadeia produtiva, cerca de 15 milhões de residências sendo abastecidas e cerca de 16 milhões de toneladas de CO2 evitadas.
O documento Global Wind Statistics 2015, lançado na última quarta-feira, 10 de fevereiro, mostra ainda que no ano passado houve grande atividade eólica em novos mercados ao redor do mundo como, por exemplo, Panamá, Chile, Costa Rica, Honduras, Argentina e Etiópia.

Atualmente, o Rio Grande do Norte segue na liderança em capacidade instalada da fonte, com 2.243 MW, seguido por Ceará (1.233 MW), Rio Grande do Sul (1.300 MW) e Bahia (959 MW).
parque de energia eólica em Rio Grande do Norte .
No primeiro semestre de 2015, as usinas eólicas do Rio Grande do Norte geraram 642 MW médios de energia, montante 142% maior do que o produzido nos seis primeiros meses do ano passado.
O Rio Grande do Sul, com 288 MW médios, registrou aumento de 91% em relação ao montante gerado no mesmo período de 2014. Já no Ceará foram 363 MW médios, aumento de 48% em comparação com o mesmo período do ano anterior. Já a Bahia quase triplicou sua geração eólica, com 391 MW médios (+283%).  
FONTE: www.brasil.gov.br ,  www.canalenergia.com.br

EXERCÍCIOS 
1) (UEL) As fontes de energia podem ser classificadas em renováveis e não renováveis, mas também em primárias e secundárias. A primeira divisão refere-se à capacidade de recomposição de uma dada fonte energética, enquanto a segunda está relacionada com a forma pela qual é encontrada e transformada pelo homem.
Diante dessas considerações, analise as afirmativas a seguir:
I. O Petróleo refinado pode ser considerado uma fonte de energia secundária e não renovável.
II. A energia solar, na sua função de aquecimento do ambiente e iluminação da Terra, deve ser entendida como uma fonte primária.
III. O Etanol, em virtude de sua produção agrícola geralmente ineficiente, não pode mais ser considerado uma fonte de energia renovável.
IV. Podemos concluir que toda energia primária é renovável.
Estão corretas as alternativas:
a) I e II
b) II e IV
c) I, II e III
d) I, II e IV



2) Enumere a segunda coluna a partir da primeira, classificando corretamente as diferentes fontes de energia existentes.
Coluna 01
(1) Fontes renováveis
(2) Fontes não renováveis
_________________________________
Coluna 02
( ) Energia do Carvão
( ) Energia Eólica
( ) Energia Solar
( ) Energia do Petróleo
( ) Energia Geotérmica
( ) Energia Atômica
( ) Energia das Ondas das Marés
3. (Enem 2007) - Qual das seguintes fontes de produção de energia é a mais recomendável para a diminuição dos gases causadores
do aquecimento global?
A) Óleo diesel.
B) Gasolina.
C) Carvão mineral.
D) Gás natural.
E) Vento.
































GABARITO: 1-a    ,      2) SEQUENCIA:  2, 1, 1, 2, 1, 2, 1.        3)  E

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Pensamentos de Milton Santos

Milton Santos foi um dos maiores geógrafos da história do pensamento geográfico.

Milton Santos foi um geógrafo brasileiro, considerado por muitos como o maior pensador da história da Geografia no Brasil e um dos maiores do mundo. Destacou-se por escrever e abordar sobre inúmeros temas, como a epistemologia da Geografia, a globalização, o espaço urbano, entre outros.
Conquistou, em 1994, o Prêmio Vautrin Lud, o Nobel de Geografia, sendo o único brasileiro a conquistar esse prêmio e o primeiro geógrafo fora do mundo Anglo-Saxão a realizar tal feito. Além dessa premiação, destaca-se também o prêmio Jabuti de 1997 para o melhor livro de ciências humanas, com “A Natureza do Espaço”. Foi professor da Universidade de São Paulo, mas lecionou também em inúmeros países, com destaque para a França.
A obra de Milton Santos caracterizou-se por apresentar um posicionamento crítico ao sistema capitalista e aos pressupostos teóricos predominantes na ciência geográfica de seu tempo. Em seu livro “Por uma Geografia Nova”, em linhas gerais, o autor criticou a corrente de pensamento Nova Geografia, marcada pela predominância do pensamento neopositivista e da utilização de técnicas estatísticas.
Diante desse pensamento, propôs – fazendo eco a outros pensadores de seu tempo – a concretização de uma “Geografia Nova”, marcada pela crítica ao poder e pela predominância do pensamento marxista. Nessa obra, defendia também o caráter social do espaço, que deveria ser o principal enfoque do geógrafo.
Um dos conceitos mais difundidos e explorados por esse geógrafo foi a noção de “meio técnico-científico informacional”, que seria a transformação do espaço natural realizada pelo homem através do uso das técnicas, que difundiram graças ao processo de globalização e a propagação de novas tecnologias.
Sobre a globalização, Milton Santos era um de seus críticos mais ferrenhos. Em uma de suas mais célebres frases, ele afirmava que “Essa globalização não vai durar. Primeiro, ela não é a única possível. Segundo, não vai durar como está porque como está é monstruosa, perversa. Não vai durar porque não tem finalidade”.
Em uma das suas obras mais difundidas pelo mundo – Por uma outra globalização –, muito lida por “não geógrafos”, Milton Santos dividiu o mundo em “globalização como fábula” (como ela nos é contada), “globalização como perversidade” (como ela realmente acontece) e “globalização como possibilidade”, explorando a ideia de uma outra globalização.
Além disso, o geógrafo proporcionou uma fecunda análise a respeito do território brasileiro, abordando as suas principais características e inserindo a produção do espaço no Brasil sob a lógica da Globalização. Nessa obra, de mais de 500 páginas, propôs, inclusive, uma nova regionalização do Brasil, dividido em quatro grandes regiões.
Milton Santos faleceu em 24 de junho de 2001, vítima de complicações proporcionadas por um câncer, aos 75 anos. Deixou uma vasta obra, com dezenas de livros e uma infinidade de textos, artigos e capítulos. Seu pensamento ainda é considerado atual e muitas das críticas dos movimentos antiglobalização fundamentam-se em suas ideias.
Segue alguns pensamentos desse Grande geógrafo:

 
fonte: brasilescola

domingo, 17 de janeiro de 2016

Engenheiro cria sistema natural para tratar esgoto


Projeto de faculdade apresenta bons resultados para tratamento de esgoto para localidades que não possuem saneamento básico.

wow - GIFMANIA
Projeto faz uso de bananeiras para aumentar a purificação.

Problema crônico e ainda distante de soluções a curto e médio prazo, o tratamento de esgoto não é uma realidade em diversos municípios brasileiros, principalmente aqueles mais carentes de estados das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste do Brasil. Com isto, muito da dignidade humana é deixada de lado e muitas doenças podem ser provocadas pelo contato com água contaminada. Crianças e idosos são os que mais sofrem com a falta de saneamento básico nos bairros ondem moram.
Para tentar amenizar esta situação, um engenheiro brasileiro chamado Jonas Rodrigo dos Santos criou um sistema natural para tratar esgoto que tem a capacidade de retirar quase todas as impurezas da água e assim evitar a contaminação de mananciais e a proliferação de doenças.

Como funciona o sistema natural para tratar esgoto?

São cinco fases principais de limpeza dentro do sistema natural para tratar esgoto, começando pela fossa séptica e tanque de zona de raízes, este último dividido em quatro fases de filtragem: filtro de pedras grosas, de pedra brita, de pedrisco e filtro com carvão ativado. Para deixar o tratamento de esgoto ainda mais completo, o sistema natural do engenheiro Jonas conta com taiobas e bananeiras para aumentar a purificação.
Para chegar ao modelo final, o engenheiro realizou testes em efluente com 8,3 mil miligramas de material sólido por líquido. Após a passagem da água pelo sistema, o resultado foi de apenas 170 miligramas por litro, ou seja, em um nível que pode ser enviado para córregos ou lagos com total segurança, já que não provoca mais contaminação. Esta central de pequeno porte para tratamento de esgoto foi instalada na propriedade de Denílson José dos Santos (pai do engenheiro) na região rural de Capanema, Paraná.
“Um projeto deste porte não se faz sozinho, eu tive muita ajuda, muito apoio para a realização desse projeto. Uma delas foi do meu pai, pois tudo foi aplicado na propriedade dele, que custeou toda a instalação, ele que arcou com a parte financeira”, afirmou Jonas.

Da faculdade para sociedade

O projeto do sistema natural para tratar esgoto foi desenvolvido por Jonas durante a faculdade de Engenharia Ambiental em Foz do Iguaçu. A ideia, inclusive, foi finalista do Prêmio ANA 2014 de Pesquisa e Inovação Tecnológica. A premiação é realizada pela Agência Nacional das Águas a cada dois anos e tem como objetivo valorizar as melhores soluções que promovam melhorias em projetos para conservação e preservação das reservas hídricas no Brasil.

Fonte:http://www.pensamentoverde.com.br